O menor estado brasileiro promove algumas das festas juninas mais arretadas de todo o Nordeste. Tem barco de fogo, busca-pé, concurso de licor e muito forró do litoral ao agreste. Mas atenção: para brincar com tanta fagulha, tem que ser cabra da peste!

ARACAJU

Mesmo com prédios altos e ruas largas, a capital sergipana não esconde seu ar provinciano, que fica ainda mais evidente nas festas juninas e em outras tradições. Combine esse charme com uma extensa lista de estrelas da música e você chegará ao segredo do sucesso do Forró Caju, que atrai milhares de turistas todos os anos. Em 2024, o evento será realizado a partir do dia 1º de junho e contará com mais de 300 atrações em 60 dias de festa. Às segundas-feiras, o agito ficará concentrado na Rua São João. Nos demais dias, o Arraiá do Povo e a Vila do Forró, na animada orla de Atalaia, prometem manter a fogueira acesa com muito arrocha às terças e grandes shows especialmente aos fins de semana. Calcinha Preta e João Gomes, por exemplo, marcam presença no sábado de abertura, e o calendário ainda prevê apresentações de Nattan, À Vontade, Xand Avião, Zé Vaqueiro, Limão com Mel, Geraldo Azevedo, Falamansa, Bruno & Marrone, Joelma, Felipe Amorim, entre vários artistas sergipanos.

A cantora Elba Ramalho encerra a agenda de shows em Atalaia no dia 30 de junho. Enquanto isso, nas ruas de Aracaju, as fogueiras iluminam a noite e esquentam as espigas de milho. Um cortejo de noivas e convidados desfila pelas vias até o local onde são celebrados os casamentos caipiras, sempre ao som de muito forró.

* A Azul tem voos diretos que conectam Aracaju com importantes aeroportos do Brasil, como Viracopos (SP), Confins (MG) e Recife (PE). 

INTERIOR SERGIPANO

Como chegar: Areia Branca fica a 36 km de Aracaju. Depois, vêm Estância (a 70 km) e Canindé de São Francisco (a cerca de 200 km da capital sergipana).

Os festejos de Sergipe são fiéis às raízes do interior. Em Canindé de São Francisco, a programação valoriza a tradição com casamento de matuto, quermesses e concursos de quadrilha. Já a pacata Estância é famosa por seus busca-pés e barcos em faíscas.  Desde o início do ano, fogueteiros socam em pilões carvão,  salitre, cachaça e enxofre para confeccionar os explosivos ao som de tambores, rimas e cantorias. Uma brincadeira para quem, literalmente, não tem medo de brincar com fogo. Se esse não é o seu caso, prefira o São João de Areia Branca. Lá uma lei municipal proíbe a queima de fogos e garante a fama de forró paz e amor.